Segunda-feira
19 de Fevereiro de 2018 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,24 3,24
EURO 4,03 4,03
IENE 0,03 0,03

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Campinas, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - São Paulo, SP

Máx
26ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Suzano, SP

Máx
26ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Acusado de agressão e cárcere privado contra mulher é condenado

Casal conviveu por dez anos e teve quatro filhos. Um homem foi condenado por decisão da Vara Criminal de Tupã sob a acusação de lesão corporal, sequestro e cárcere privado, além de violação à lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher – Lei Maria da Penha. O réu foi sentenciado a três anos e seis meses de reclusão e um ano e dois meses de detenção. Considerando-se a quantidade da pena imposta, o magistrado estipulou o regime semiaberto para o início do cumprimento da pena privativa de liberdade. Segundo a denúncia, acusado e vítima mantiveram relacionamento amoroso estável por dez anos, durante o qual tiveram quatro filhos, mas na época dos fatos estavam separados. No dia do crime ele a encontrou na rua e a levou para a casa dele, trancou-a em um quarto e passou a espancá-la, acusando-a de traição. Presa no local, a mulher decidiu atear fogo no colchão para chamar a atenção da genitora do acusado, que abriu a porta. A vítima saiu então correndo, e na rua, perseguida pelo acusado, foi atingida por paus e pedras arremessadas em sua direção, provocando lesões nas costas e ombro, conforme atestado por laudo pericial. Em juízo, o acusado negou os fatos apresentados pela denúncia, afirmando que foi procurado insistentemente em sua casa pela vítima e agredido por ela, mesma versão de seus pais. As testemunhas da vítima, por outro lado, confirmaram as agressões. Em sua decisão, o juiz Arthur Lutiheri Baptista Nespoli julgou a ação procedente. Para ele, “ao cabo da instrução criminal restou comprovada a responsabilidade do acusado pela prática dos fatos que lhe foram imputados na denúncia”. Segundo o magistrado, as declarações da vítima se mostraram condizentes com o exame de corpo de delito. Cabe recurso da decisão. Processo nº 0000508-82.2017.8.26.0637
06/02/2018 (00:00)
Visitas no site:  22645
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia