Sábado
18 de Janeiro de 2020 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Noticias

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,18 4,18
EURO 4,64 4,64
IENE 0,04 0,04

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
22ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Campinas, SP

Máx
25ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
23ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - São Paulo, SP

Máx
23ºC
Min
18ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Suzano, SP

Máx
23ºC
Min
18ºC
Chuvas Isoladas

Cohab de Ribeirão Preto deverá entregar novas residências a moradores de conjunto construído em área de lixão

Proprietários também serão indenizados por danos morais.           A 6ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação da Companhia Habitacional Regional de Ribeirão Preto (COHAB-RP) pela edificação de conjunto habitacional popular em terreno que havia servido como depósito de resíduos sólidos urbanos (lixão), cuja decomposição causou a formação de gás metano e instabilidade ao solo, danificando os imóveis. A empresa deverá entregar aos moradores do conjunto habitacional outras residências com as mesmas dimensões e padrão igual ou superior, em perfeitas condições, em até 12 meses, sob pena de multa diária de R$ 1 mil; e indenizar os proprietários de cada unidade em R$ 30 mil.         De acordo com os autos, o conjunto, composto por 345 casas populares, foi construído numa área onde, décadas atrás, funcionou um aterro sanitário de Ribeirão Preto. Anos após a finalização da obra, e sem a devida remoção dos resíduos do lixão, a fundação de algumas unidades começou a ceder por conta da diminuição do volume do lixo aterrado, culminando no aparecimento de trincas e rachaduras. Além disso, a decomposição do material orgânico do aterro pode gerar gases tóxicos à saúde humana.         O relator da apelação, o desembargador Reinaldo Miluzzi, destacou que são “robustas” as conclusões do perito judicial, “cujo trabalho é realizado de forma equidistante dos interesses das partes”. O especialista concluiu que os efeitos deletérios alcançam não só aqueles que moram sobre o antigo lixão, mas também aqueles que estão ao seu entorno. “Devido o dano moral pela angústia suportada pelos moradores do conjunto residencial”, escreveu o relator, acrescentando que “sofreram danos à autoestima, eles que estão submetidos à segregação sócioespacial”.         O julgamento teve a participação dos desembargadores Maria Olívia Alves e Leme de Campos. A votação foi unânime           Apelação nº 0028718-71.2005.8.26.0506                            imprensatj@tjsp.jus.br
13/01/2020 (00:00)
Visitas no site:  161812
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia