Segunda-feira
13 de Julho de 2020 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Noticias

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,34 5,34
EURO 6,05 6,05
IENE 0,05 0,05

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
27ºC
Min
15ºC
Predomínio de

Hoje - Campinas, SP

Máx
28ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
27ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
27ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Hoje - Suzano, SP

Máx
27ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Condenados por improbidade tesoureira e parentes que desviaram recursos da Prefeitura de Guaíra

Funcionária transferiu quantias para mãe e marido.           A 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve condenação por improbidade administrativa de servidora pública da Prefeitura de Guaíra que se valeu do cargo de chefe da Tesouraria para desviar um total de R$ 55 mil da municipalidade para as contas da mãe e do marido. Os três réus foram condenados à suspensão dos direitos políticos por oito anos; ao pagamento, cada qual, de multa civil no valor de R$ 55 mil; e à proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 anos. A funcionária da prefeitura foi sentenciada, ainda, à perda da função pública. Também foi julgada procedente a indisponibilidade de bens dos envolvidos até pagamento integral dos danos.         Consta nos autos que entre 2014 e 2015 a tesoureira da Prefeitura realizou transferências online de recursos da municipalidade para seus parentes. Ela alega que desviou os valores para pagamento de financiamento imobiliário e que tinha intenção de devolver o dinheiro.         De acordo com o relator do caso, desembargador Afonso Faro Júnior, “a condenação solidária dos réus foi bem decretada na sentença, sendo de rigor sua manutenção, inclusive no que concerne à dosimetria das sanções, observados os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, bem como no tocante à indisponibilidade de bens determinada na cautelar”.         O julgamento, de votação unânime, teve a participação dos desembargadores Aroldo Viotti e Jarbas Gomes.           Processo nº 0003855-17.2015.8.26.0210                    imprensatj@tjsp.jus.br
10/01/2020 (00:00)
Visitas no site:  206730
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia