Sexta-feira
23 de Agosto de 2019 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,04 4,04
EURO 4,48 4,49
IENE 0,04 0,04

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
20ºC
Min
10ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Campinas, SP

Máx
24ºC
Min
11ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
21ºC
Min
11ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
18ºC
Min
13ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Suzano, SP

Máx
18ºC
Min
13ºC
Pancadas de Chuva

EPM e CIJ promovem a palestra “Paternidade como um antídoto para o machismo”

Encontro debateu parentalidade e relações familiares.           O Tribunal de Justiça de São Paulo, por meio da Escola Paulista de Magistratura (EPM) e da Coordenadoria da Infância e da Juventude (CIJ), promoveu ontem (8) a palestra “Paternidade como um antídoto para o machismo” no auditório do Gade 23 de maio. Liderada por Leandro Ziotto, administrador de empresas e especialista em advocacy, a aula foi acompanhada por cerca de 800 servidores nas modalidades presencial e a distância.          O debate tratou de temas como machismo, sistema patriarcal e o cuidado com os filhos. A abertura foi feita pelo membro consultor da CIJ, desembargador Antônio Carlos Malheiros. “Leandro trata de uma maneira muito interessante a paternidade. Ele tem uma vivência muito grande no assunto e tecnicamente é excelente”, afirmou o magistrado.           Ziotto é o fundador da plataforma de conteúdo e formação parental 4daddy e integrante dos grupos de trabalho de advocacy “Homens pela Primeira Infância” e “Criança e Adolescente”, da Rede Nacional Primeira Infância e Rede Nossa SP, respectivamente. Ele iniciou explicando o que é machismo e como ele afeta as relações entre pais e filhos. “Eu percebi que tive uma criação machista quando me vi morando com a minha ex-mulher e o filho dela e não tinha nem ideia de como cuidar da criança”. De acordo com o palestrante, o machismo não faz apenas vítimas mulheres, uma vez que, como sistema consolidado, o patriarcado gera comportamentos tóxicos nos homens quando estereotipa ambos os gêneros.         “Os homens sofrem de uma castração emocional muito grande, uma vez que as pressões sociais do sistema exigem que ele seja forte, seja o provedor da família, aquele que não chora e nem demonstra sentimentos. Isso gera inpíduos que se sentem cada vez mais sós, excluídos de um coletivo, mesmo que esteja fisicamente próximo de muita gente, como é o caso de um núcleo familiar”, explicou, acrescentando que o machismo afasta os homens da mágica que é cuidar dos filhos já que, tradicionalmente, a função paterna dita regras, controla, cria imposições e contém impulsos, enquanto às mães cabe o papel de cuidar, amparar, amar e acolher as crianças – sempre segundo os pressupostos do patriarcado.         Por isso, a paternidade, se levada de acordo com os princípios da parentalidade – prática que estimula os vínculos afetivos dos pais e mães no sentido de prover tudo aquilo que uma criança precisa para ter um desenvolvimento saudável – se torna um ato afetivo, social e político. “Ela é o pontapé inicial de uma revolução masculina, que mexe muito com as questões internas dos homens e os obriga a trabalhar as emoções”, finalizou Ziotto. Após a palestra, o expositor respondeu perguntas enviadas pelos servidores.                    imprensatj@tjsp.jus.br
09/08/2019 (00:00)
Visitas no site:  85046
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia