Quinta-feira
04 de Março de 2021 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,73 5,73
EURO 6,92 6,92
IENE 0,05 0,05

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
28ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Campinas, SP

Máx
27ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
29ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
27ºC
Min
22ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Suzano, SP

Máx
27ºC
Min
22ºC
Pancadas de Chuva a

Iniciativa de juíza do TJSP, projeto Re.Juntar reforma casas para retorno de crianças acolhidas

Magistrada busca indicação de famílias para participar da ação.   A juíza da 1ª Vara da Família e das Sucessões do Foro Regional do Ipiranga, Elizabeth Kazuko Ashikawa, é a idealizadora do projeto Re.Juntar, iniciativa que ajuda famílias que precisam de mínimas condições de infraestrutura para voltar a conviver com os filhos que estão acolhidos. A partir do voluntariado, são realizadas reformas nas casas dos participantes, valorizando o coletivo, a união, o convívio e a família. “Juntos rejuntamos tijolos que rejuntam famílias. A reforma é o meio, é a ação que dá vida a um futuro mais humano”, afirma o slogan do projeto.   Três reformas já foram realizadas e agora o Re.Juntar busca uma nova família para ajudar. Magistrados, promotores, advogados, defensores, servidores, equipes técnicas e jurisdicionados podem indicar casos da Grande São Paulo. A seleção prioriza famílias com crianças abrigadas e utiliza como critério de elegibilidade a comprovação de posse do imóvel, vínculo afetivo com os jovens, condições de inabitabilidade e falta de capacidade econômica e/ou física da família. Indicações para o projeto podem ser enviadas pela página do Re.Juntar ou para o e-mail rejuntar@basecolaborativa.org. É feita uma análise do caso pela magistrada e pela equipe do Re.Juntar. A juíza explica que a reforma é a última providência tomada para o retorno da criança/adolescente para a família. Ou seja, todas as outras medidas necessárias já devem ter sido superadas pela Vara da Infância. Deve haver vínculo afetivo entre a família, o imóvel deve ter contas de água e de luz regulares e a reforma precisa estar dentro das possibilidades do projeto.     Re.Juntar Na primeira edição, em 2018, o projeto reuniu uma mãe e suas três filhas: para o desacolhimento, faltava – apenas – a reforma da casa para oferecer condições mínimas de moradia às jovens. Para o trabalho, foram convocados 50 voluntários. Na segunda e terceira edições, realizadas em 2019, as reformas aconteceram nas casas de avós das crianças acolhidas. Em 2020, por conta da pandemia de Covid-19, não ocorreu nenhum mutirão. Neste ano, as reformas serão feitas apenas por empreiteiros e pedreiros, contratados com o dinheiro de doações para a ONG Base Colaborativa, que gerencia o projeto Re.Juntar.     imprensatj@tjsp.jus.br     Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
17/02/2021 (00:00)
Visitas no site:  287061
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia