Sexta-feira
23 de Agosto de 2019 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,04 4,04
EURO 4,48 4,49
IENE 0,04 0,04

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
20ºC
Min
10ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Campinas, SP

Máx
24ºC
Min
11ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
21ºC
Min
11ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
18ºC
Min
13ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Suzano, SP

Máx
18ºC
Min
13ºC
Pancadas de Chuva

Instituição de ensino deve indenizar estudante por cobranças indevidas

Aluna foi cobrada mesmo não estando matriculada.           A 15ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou uma universidade a indenizar por danos morais estudante que foi cobrada mesmo não estando matriculada na instituição. A reparação foi fixada em R$ 15 mil e os débitos foram declarados inexigíveis.         A autora afirma que procurou a ré em busca de bolsa de estudos através do FIES. Após a negativa do financiamento e sem possuir condições financeiras para arcar com os valores da mensalidade do curso de arquitetura, a apelante teria solicitado o cancelamento da matrícula, mas a universidade continuou cobrando mensalidades e eventualmente inseriu o nome da estudante em cadastros de inadimplentes.         De acordo com a relatora da apelação, desembargadora Lucila Toledo, a instituição de ensino não comprovou a efetiva matrícula da apelante no seu curso de graduação. “Ausente prova da regularidade da contratação, é necessário considerar o débito inexistente”, afirmou a magistrada.         “O prestador de serviços assume os riscos de sua atividade empresarial, não apenas perante seus clientes, mas diante do mercado como um todo. Por isso mesmo, não pode eximir-se de sua responsabilidade legal, quando cause dano ao consumidor”, escreveu a relatora. “É absolutamente pacífico na doutrina e na jurisprudência que a restrição em cadastro de proteção ao crédito, sem fato que o permita, atinge a honra do suposto devedor e causa dano moral indenizável.         Completaram a turma julgadora os desembargadores Elío Estevão Troly e Kleber Leyser De Aquino. A decisão foi unânime.           Apelação nº 1012235-15.2017.8.26.0348                    imprensatj@tjsp.jus.br
09/08/2019 (00:00)
Visitas no site:  85032
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia