Segunda-feira
23 de Setembro de 2019 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,17 4,17
EURO 4,59 4,59
IENE 0,04 0,04

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
14ºC
Min
12ºC
Possibilidade de Chu

Hoje - Campinas, SP

Máx
15ºC
Min
11ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
16ºC
Min
11ºC
Possibilidade de Chu

Hoje - São Paulo, SP

Máx
16ºC
Min
12ºC
Possibilidade de Chu

Hoje - Suzano, SP

Máx
16ºC
Min
12ºC
Possibilidade de Chu

Júri em Franco da Rocha condena dois acusados por estupro e morte de estudante

Namorado ateou fogo em jovem.           Tribunal do Júri realizado na Comarca de Franco da Rocha condenou, pelo crime de homicídio duplamente qualificado (feminicídio e emprego de meio cruel), homem acusado de matar a namorada ao atear fogo nela. Também foi condenado, por estupro de vulnerável, cunhado dele que pouco antes do assassinato abusou da jovem. O namorado da vítima foi condenado a 21 anos, 7 meses e 6 dias de reclusão, e o outro réu a 14 anos de reclusão, ambos em regime inicial fechado. O julgamento teve início na quarta-feira (4) e foi finalizado por volta das 6h30 de hoje.         Consta dos autos que o feminicídio se deu após o homem ver a namorada no quarto com o cunhado dele (o outro acusado). Ele agrediu a ambos e incendiou o colchão em que a mulher estava deitada. Há relatos de que ela estava embriagada e havia sido abusada pelo cunhado do namorado momentos antes. A vítima teve 80% do corpo queimado e faleceu quatro dias depois.         O juiz Rafael Carvalho de Sá Roriz, que presidiu o júri, destacou na sentença a sequência de atos violentos do namorado da vítima, concluindo que “sua personalidade revelou-se estupidamente violenta, para além do crime em si”. O magistrado também ressaltou a condição de vulnerabilidade da jovem: “não é possível descurar que a vítima, a que se ateou fogo, estava embriagada, reduzindo ainda mais sua capacidade de resistência ao meio empregado”. Quanto ao crime de estupro de vulnerável cometido pelo outro réu, o juiz considerou, além da agravante da violência contra a mulher, as consequências do delito: “foi o ato do réu que desencadeou a fúria do outro, culminando na instauração do pânico e na morte da vítima”.           Cabe recurso da decisão e os réus não poderão recorrer em liberdade.           Processo nº 1500574-05.2019.8.26.0544                    imprensatj@tjsp.jus.br
06/09/2019 (00:00)
Visitas no site:  99957
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia