Terça-feira
15 de Outubro de 2019 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,13 4,13
EURO 4,55 4,55
IENE 0,04 0,04

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
25ºC
Min
18ºC
Chuva

Hoje - Campinas, SP

Máx
30ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
25ºC
Min
18ºC
Chuva

Hoje - São Paulo, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Chuva

Hoje - Suzano, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Chuva

Júri na Praia Grande condena réu por tentativa de homicídio durante fuga

Acusado atirou na direção de policiais e moradora.           Tribunal do Júri realizado na Comarca da Praia Grande condenou, no dia 5 deste mês, um homem pelo crime de tentativa de homicídio qualificado cometido contra dois policiais militares e uma mulher. O acusado foi sentenciado a 15 anos de reclusão, em regime inicial fechado.         Consta dos autos que no dia 16 de abril de 2017, ao se deparar com uma viatura, o réu disparou em direção a policiais e tentou fugir subindo no telhado de residências na Rua Odualdo Dom Bruzeti, na cidade de Praia Grande. Durante a perseguição, ele atirou novamente, em direção ao interior de uma casa onde reside uma senhora. Os tiros não acertaram as vítimas, mas o Conselho de Sentença confirmou a existência de dolo de matar pelos disparos feitos contra os policiais, e o dolo eventual em relação ao disparo contra a senhora.         O juiz Antonio Carlos C. P. Martins, que presidiu o júri, ao fixar a pena destacou “as condições pessoais do acusado, que parou de estudar precocemente, não demonstrou desempenhar nenhuma atividade produtiva, ostenta anterior envolvimento em ilícitos penais contra o patrimônio, aliás, mundo no qual incursiona desde a adolescência”. Além disso, o magistrado ressaltou também a “audácia revelada ao buscar alvejar um policial militar, produzindo um tiroteio por vias públicas”, bem como a “desconsideração revelada pela vida humana ao direcionar um disparo de arma de fogo contra uma senhora que nada fizera e não representava qualquer ameaça, não bastasse o terror que impusera à mesma em seu próprio lar”.         Cabe recurso da decisão. O réu não poderá apelar em liberdade.           Processo nº 1501167-29.2017.8.26.0536                    imprensatj@tjsp.jus.br
18/09/2019 (00:00)
Visitas no site:  110370
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia