Segunda-feira
28 de Setembro de 2020 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Noticias

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,47 6,47
IENE 0,05 0,05

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
36ºC
Min
22ºC
Predomínio de

Hoje - Campinas, SP

Máx
36ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
37ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
34ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Hoje - Suzano, SP

Máx
34ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Justiça condena rede de supermercados a indenizar por má conduta de seus funcionários

Consumidora foi constrangida durante abordagem.           A 26ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que condena estabelecimento comercial a indenizar, em R$ 10 mil, consumidora acusada injustamente de furto pelos seguranças do local. A turma entendeu que o fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores.         De acordo com os autos, a autora da ação, após ter passado pelo caixa de supermercado e pago sua compra, foi abordada por seguranças do local e acusada de furto. Ela alega que, mesmo após mostrar a nota fiscal referente aos produtos adquiridos, teve sua bolsa averiguada e foi obrigada a levantar a saia na frente dos seguranças e dos demais clientes do estabelecimento.          O relator da apelação, desembargador Antonio Nascimento, afirmou que a narrativa da autora encontra-se em consonância com aquilo que foi relatado à polícia e com depoimento de testemunha.  “Assim, havendo falha na prestação dos serviços, e inexistindo prova da excludente de sua responsabilidade, responde a demandada pelos danos morais causados ao autor”, sublinhou o magistrado. “É desnecessária nesta hipótese, qualquer prova da lesão à honra e imagem da vítima, uma vez que é notório o embaraço, vexame e a vergonha do inpíduo, situação esta presumidamente constrangedora.”         O julgamento, unânime, teve a participação dos desembargadores Carlos Dias Motta e Renato Sartorelli.           Apelação nº 1000978-21.2019.8.26.0704                    imprensatj@tjsp.jus.br
17/01/2020 (00:00)
Visitas no site:  238541
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia