Segunda-feira
19 de Fevereiro de 2018 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,24 3,24
EURO 4,03 4,03
IENE 0,03 0,03

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Campinas, SP

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
26ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - São Paulo, SP

Máx
26ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Suzano, SP

Máx
26ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Mantida condenação de trio que roubou construtora

Penas variam entre oito e seis anos de reclusão. A 2ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença da 1ª Vara Criminal Central da Capital, que condenou três homens por roubo a uma construtora. As penas foram fixadas em oito anos e dois meses de reclusão (para um dos réus) e seis anos de reclusão (para os demais). De acordo com a decisão, durante a madrugada os réus renderam funcionários da empresa e levaram equipamentos e maquinários avaliados em R$ 10 mil. A polícia foi acionada e os acusados foram presos em flagrante. A defesa alegava que os réus não sabiam que se tratava de um roubo, pois teriam sido enganados por uma quarta pessoa, que pedira ajuda no transporte de alguns objetos. No entanto, o desembargador Francisco Orlando, relator do caso, destacou em seu voto: “A prova acusatória é segura no sentido de que os três apelantes participaram ativamente da empreitada delituosa, tendo cada um deles aderido de forma consciente e voluntária às condutas delituosas dos demais”. Ainda segundo o voto, as testemunhas afirmaram que vários assaltantes invadiram a empresa e deram voz de assalto, mantendo-os amarrados. “Diante disso, não se acolhe a alegação de que não queriam participar do roubo; que não concorreram dolosamente para empreitada; ou, ainda, que a participação tenha sido de menor importância”, escreveu o magistrado. O julgamento, que teve votação unânime, contou com a participação dos desembargadores Alex Zilenovski e Luiz Fernando Vaggione. Apelação n° 0004351-32.2015.8.26.0635
09/02/2018 (00:00)
Visitas no site:  22646
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia