Sexta-feira
30 de Outubro de 2020 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,78 5,78
EURO 6,74 6,74
IENE 0,06 0,06

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
20ºC
Min
16ºC
Chuva

Hoje - Campinas, SP

Máx
23ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
19ºC
Min
17ºC
Chuva

Hoje - São Paulo, SP

Máx
20ºC
Min
15ºC
Chuva

Hoje - Suzano, SP

Máx
20ºC
Min
15ºC
Chuva

Mulheres em situação de violência podem solicitar medidas protetivas de urgência

Mecanismos estão previstos na Lei Maria da Penha.   A Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340), instituída no Brasil em 2006, criou uma série de mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e família, como as medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar no País. Dentre elas, as medidas protetivas de urgência funcionam como um apoio inicial em casos que não podem esperar a tramitação de um processo. Existem dois tipos de medidas protetivas: as que obrigam o agressor e as direcionadas à proteção da mulher e seus filhos.  Atualmente, por conta da pandemia de Covid-19, as medidas protetivas de urgência podem ser solicitadas sem a necessidade de a vítima apresentar o Boletim de Ocorrência. A solicitação pode ser feita via Defensoria Pública, Ministério Público ou advogado particular e caberá ao juiz responsável a análise. O magistrado poderá aplicar ao suposto agressor, em conjunto ou separadamente, as seguintes medidas:   - Suspensão da posse ou restrição ao porte de armas;  - Afastamento do agressor do lar; - Proibição do agressor de se aproximar da vítima, seus familiares e testemunhas; - Proibição de contato com a vítima, seus familiares e testemunhas, por qualquer meio de comunicação; - Proibição de frequentar determinados lugares, para preservar a integridade física e psicológica da vítima; - Restrição ou suspensão de visitas aos dependentes menores; - Prestação de alimentos provisórios; - Comparecimento do agressor a programas de recuperação e reeducação; - Acompanhamento psicossocial do agressor.   De acordo com a juíza Teresa Cristina Cabral Santana, integrante da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário (Comesp), as medidas podem salvar vidas. “Elas previnem a ocorrência de violência e colocam as mulheres em segurança até que outras demandas sejam resolvidas”, afirma. Medidas como a restrição a posse de arma de fogo, segundo a magistrada, também podem prevenir uma futura tentativa de feminicídio. A juíza Rafaela Caldeira Gonçalves, que também integra a Comesp, lembra que as medidas protetivas de urgência não ficam restritas àquelas discriminadas na lei. “É possível que a mulher consiga afastamento do trabalho quando o local de contato com o agressor for o ambiente profissional. Outra medida é a proteção em casos de crimes virtuais. Uma mulher que teve a conta de redes socias ou a conta bancária invadida ou foi ameaçada de ter fotos íntimas vazadas, pode pedir proteção”, conta. “Com a necessidade de confinamento, o computador se tornou uma porta de acesso ao mundo externo, inclusive para a prática de crimes. A Lei Maria da Penha é uma ferramenta importantíssima para a proteção também no mundo virtual”.  Mesmo com a quarentena, as delegacias estão abertas 24 horas e as vítimas de violência doméstica podem registrar Boletim de Ocorrência pela internet, através da página www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br. A vítima pode solicitar medidas protetivas sem a necessidade de BO – para isso, pode procurar a Defensoria Pública, que durante a quarentena atende aos chamados pelo WhatsApp (11) 94220-9995 ou pelo telefone 0800 773 4340.    imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial  
25/09/2020 (00:00)
Visitas no site:  248712
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia