Domingo
29 de Novembro de 2020 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Noticias

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,35 5,35
EURO 6,39 6,39
IENE 0,05 0,05

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
29ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Campinas, SP

Máx
31ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
30ºC
Min
18ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
30ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Suzano, SP

Máx
30ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

OE julga inconstitucional hipótese de perda de mandato do prefeito em lei de Colina

Dispositivo infringe princípio da simetria.   O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em sessão de julgamento realizada no último dia 21, declarou inconstitucional artigo da Lei Orgânica do Município de Colina que prevê hipóteses de perda de mandato para o prefeito e o vice-prefeito. Consta nos autos que o dispositivo proíbe o prefeito de assumir, simultaneamente, cargo ou função na Administração Pública Direta ou Indireta e ambos (prefeito e vice) de desempenhar função de administração em qualquer empresa privada. Nos dois casos, a violação implicaria em perda do mandato. A ação foi proposta pelo prefeito do Município, que alegou violação ao princípio da simetria – adoção, sempre que possível, dos princípios fundamentais e regras de organização existentes na Constituição Federal.  O relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade, desembargador Antonio Celso Aguilar Cortez, afirmou que o caput do dispositivo apenas reproduz o que já está previsto na CF. “Nesse passo, tratando-se de mera repetição de mandamento constitucional devidamente adaptado ao cargo de Prefeito, nenhum problema se verifica quanto a essa parte do dispositivo; não há inconstitucionalidade a declarar”, escreveu o magistrado. Aguilar Cortez apontou, porém, que o legislador municipal excedeu os limites da Constituição Estadual (art. 42 c/com art. 144) ao criar situações de incompatibilidade para o prefeito e o vice, além de estabelecê-las como hipótese de perda do mandato. “Ocorre que o Supremo Tribunal Federal consolidou entendimento no sentido de que os parâmetros limitadores do poder de auto-organização do Município (art. 29 da Constituição da República) não podem ser abrandados nem agravados pela Constituição Estadual, muito menos pela Lei Orgânica Municipal”, destacou. A votação do Órgão Especial foi unânime.   Adin nº 2042757-77.2020.8.26.0000    imprensatj@tjsp.jus.br           Siga o TJSP nas redes sociais:          www.facebook.com/tjspoficial         www.twitter.com/tjspoficial         www.youtube.com/tjspoficial         www.flickr.com/tjsp_oficial         www.instagram.com/tjspoficial
27/10/2020 (00:00)
Visitas no site:  259523
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia