Quinta-feira
29 de Julho de 2021 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Noticias

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,15 5,15
EURO 6,08 6,09
IENE 0,05 0,05

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
12ºC
Min
3ºC
Predomínio de

Hoje - Campinas, SP

Máx
12ºC
Min
3ºC
Predomínio de

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
11ºC
Min
4ºC
Geada

Hoje - São Paulo, SP

Máx
12ºC
Min
3ºC
Predomínio de

Hoje - Suzano, SP

Máx
11ºC
Min
3ºC
Predomínio de

Postagens de mulher contra ex-cônjuge não geram dever de indenizar

Ofensas deverão ser excluídas.    A 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a exclusão de publicações ofensivas feitas em rede social por mulher contra ex-companheiro e pai de seus dois filhos. Por outro lado, a  sentença de 1º grau foi reformada, desobrigando a apelante a pagar indenização por danos morais.   Consta dos autos que a mulher postou em rede social persos xingamentos e acusações contra o ex-cônjuge, afirmando que o genitor abandonou a família sem prestar qualquer assistência material e afetiva às crianças.  O desembargador Natan Zelinschi de Arruda,  relator da apelação,  considerou em seu voto que, apesar da parte ter utilizado termos chulos, o fez em contexto de desabafo em relação à conduta do ex-marido. “Assim, somente a susceptibilidade do autor não é suficiente para a condenação em danos morais, haja vista que deve-se levar em consideração as peculiaridades da situação fática, mesmo porque, o autor não comprovou de forma efetiva que seria um pai diligente, participativo, e que proporcionasse toda a estrutura necessária para a criação e formação dos filhos”.  “A situação de desespero fizera com que a ré desabafasse, mesmo que de modo inadequado, e o termo utilizado, apesar de deselegante, como já exposto, ressalta que tivera a intenção de chamar a atenção para uma situação desfavorável; por conseguinte, não se vislumbra embasamento para indenização, mas somente para retirada de publicação da rede social”, concluiu o magistrado.  Participaram do julgamento os desembargadores Alcides Leopoldo e Marcia Dalla Déa Barone. A decisão foi unânime.    Apelação n° 1021397-27.2019.8.26.0554    imprensatj@tjsp.jus.br    Siga o TJSP nas redes sociais:   www.facebook.com/tjspoficial  www.twitter.com/tjspoficial  www.youtube.com/tjspoficial  www.flickr.com/tjsp_oficial  www.instagram.com/tjspoficial 
16/06/2021 (00:00)
Visitas no site:  354458
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia