Segunda-feira
28 de Setembro de 2020 - 
Silva & Sant Anna Soluções Profissionais para o seu Negócio
Eis que as coisas velhas já passaram, e tudo se fez novo. 2 Co 5:17

Controle de Processos

Por favor, entre com o seu usuario e senha

Noticias

Newsletter

Deixe seu email para enviarmos nossos informativos.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Fale Conosco

Rua Luiz Bianconi 92 
Jardim Carlos Cooper
CEP: 08664-250
Suzano / SP
+55 (11) 42920279

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,47 6,47
IENE 0,05 0,05

Previsão do tempo

Hoje - Guarulhos, SP

Máx
36ºC
Min
22ºC
Predomínio de

Hoje - Campinas, SP

Máx
36ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - Mogi das Cruzes...

Máx
37ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
34ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Hoje - Suzano, SP

Máx
34ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Tribunal mantém júri que condenou réu por crime de feminicídio contra sobrinha

Pena foi de 40 anos de reclusão.           A 3ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve júri que condenou homem pela prática de feminicídio contra a sobrinha de 14 anos. Foram reconhecidas as qualificadoras de emprego de meio cruel, de forma a dificultar a defesa da vítima e por razões da condição de sexo feminino, no âmbito de violência doméstica e familiar, na presença de ascendente da vítima (avó da adolescente e mãe do condenado). A pena imposta foi de 40 anos de reclusão em regime inicial fechado.         Segundo os autos, o fato aconteceu quando o acusado soube que a adolescente mantinha um relacionamento amoroso com um rapaz do bairro, o que já era de conhecimento da família. Após espancar a sobrinha, o homem fugiu a pé, mas foi localizado pela Polícia Militar. Consta em laudo que a causa da morte foi traumatismo cranioencefálico. O homem já havia sido condenado outras duas vezes por violência doméstica contra a mãe.         “O réu tirou da vítima tudo que ela tinha e tudo que ela poderia ter, além de sua dedicação à família, pois cuidava de um tio deficiente e ao estudo, ocorrendo inclusive manifestações na escola da vítima após sua violenta morte, justificando o aumento da pena base considerando as gravíssimas consequências do delito, além da dor e abalo psicológico provocado na avó da vítima, que sequer teve condições de prestar depoimento em plenário”, escreveu em seu voto o relator da apelação, desembargador Jaime Ferreira Menino.         O julgamento, de decisão unânime, teve a participação dos desembargadores Luiz Antonio Cardoso e Toloza Neto.                    imprensatj@tjsp.jus.br
14/01/2020 (00:00)
Visitas no site:  238528
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia